Atividades

Projeto Circuito para Formação Permanente PCFP – Temporada 2020

Caros colegas,

em função das medidas necessárias para a contenção do covid-19, propostas pela Escola e assumidas por nós, e que exigiram a suspensão de nossos encontros das sextas-feiras, a coordenação do PCFP pensou em um movimento no sentido de uma continuação do trabalho. Assim, reafirmamos a importância de sustentar a transferência de trabalho que nos causa, com uma aposta nos efeitos de leitura.

Fomos tomados por certa surpresa, ao constatar que recorríamos neste momento tão delicado, à leitura das Cartas de Freud ao seu amigo Wilhem Fliess, escritas no período de 1887 a 1904. As cartas traçam o caminho de uma transferência de trabalho à distância, convocando seu destinatário a ocupar um lugar de leitor/ouvinte  de hipóteses, de sonhos, e de idéias; no sentido mesmo do que entendemos por  transmissão. Ideias que exigem uma transmissão do que ainda se ignora: “Foi só ao tentar expor o assunto a você que todo ele se tornou evidente para mim” (1986), confessa Freud a Fliess.

Após o rompimento com Fliess, Freud destruirá as cartas recebidas do ex-amigo. Destino diferente terão aquelas enviadas por Freud. Após a morte de Fliess estas Cartas caíram nas mãos de um antiquário, que as vendeu em 1937 à princesa Marie Bonaparte. O desejo de Freud era destruí-las mas, a princesa propôs que sua publicação fosse retardada e assim, 153 cartas foram publicadas numa primeira versão em 1950 e 287 em uma nova edição alemã de 1986.

Encontramos na leitura do texto: “O traço freudiano da escrita na Psicanálise”, do colega Mauro Cordeiro Andrade, uma localização formidável do lugar das Cartas para a Psicanálise: o estatuto de escritos, “os escritos dirigidos a Fliess”: um centro descentrado, que condensa e dispersa o que reaparecerá ao longo de toda a obra freudiana. “Esses escritos nos trazem alguns dos mais importantes traços e marcas da experiência de escrita em Freud e particularmente o apagamento. A princípio, nada mais são que papéis, folhas avulsas, nas quais se destaca o traço gótico da letra do escritor.” (p.19). Mas, eles estão lá, “geralmente sob a rubrica “origens”, ou “primórdios” ou “nascimento da psicanálise”.(idem)

Levando em conta que o tema desta temporada tem como foco ‘as estruturas psíquicas e suas implicações clínicas’ e que começamos a abordá-lo através de uma localização da noção de estrutura e da ‘estrutura de linguagem’, localizamos algumas passagens nas primeiras articulações de Freud que corroboram este percurso.

Assim, a princípio, propomos a leitura da Carta de Freud a Fliees, de 22 de dezembro de 1897, a Carta 79. (Nas obras completas elas se encontram no primeiro volume). Esta carta ressalta a localização em que o recalcado irrompe: “a representação verbal”, e não o conceito vinculado a ela. As coisas mais díspares são reunidas numa ideia obsessiva, via “representação verbal”. É ela o elo de ligação. Assim, chegamos também à crítica feita por Lacan a uma clínica da “compreensão”, tal como foi discutido em nosso último encontro.

Boas leituras e até a próxima comunicação!

Coordenação Pcfp


Uma formação implica aqueles que dela se encarregam, assim como aqueles que se aproximam de uma Escola e da Psicanálise.

Neste espaço de formação permanente, partimos de uma entrevista com os interessados, visando escutar qual a questão de cada um em relação à Psicanálise. São estas questões que norteiam a investigação de cada temporada, cuja duração é sempre singular e definida pelo ritmo que o trabalho imprime. Entre uma temporada e outra, são colhidos os restos que relançam para o trabalho da temporada seguinte. Este modo de funcionamento opera como uma borda, inserindo o participante na Escola, apontando sua frequentação em diferentes espaços da Escola.

Em 2020, a partir do que foi apurado no ano anterior, o primeiro tema a ser trabalhado será: “Verdrängung, Verleugnung, Verwerfung: operações psíquicas constitutivas do sujeito e suas implicações clínicas”.

 

Frequência: semanal, às sextas feiras.
Horário: das 10:30 h às 12:00 h
Local: Aleph – Escola de Psicanálise
Início: 06 de março

 

COORDENAÇÃO
Bethânia Pena dos Santos
Graça Curi
Jeanne D’Arc Carvalho
Leila Mariné Guimarães
Lícia Mara Dias

 

Obs.: Os interessados deverão se dirigir à secretaria da Escola (3281-9605).