Comissões . Acolhimento

A etimologia latina da palavra acolher – accolligere – remete a “recolher”, receber, retirar. Em psicanálise, acolher tem justamente esta função: recolher, retirar do lugar, desdobrar as demandas. Em uma Escola para a psicanálise, o a-colher traz a aposta de que cada um seja capaz de dar destino aos efeitos do [des]-encontro com a psicanálise e isso tem implicações no continuum “fazer Escola”.

O Aleph – Escola de Psicanálise sustenta o acolhimento daqueles que o procuram, em uma lógica que entrelaça a função Acolhimento com as Comissões de Cartel e de Ensino. O acolhimento abrange desde as entrevistas de apresentação da Escola até a inscrição de Participantes, Participantes Inscritos e Membros.

Nas entrevistas de apresentação, o interessado toma conhecimento da política de ensino da Escola: Formação Permanente em Circuito – Leitura /Fundamentos / Investigação. Esta política evidencia a não seriação da formação do analista. Trata-se de um trabalho de escuta de cada um que, em seu tempo, poderá fazer seu registro na Escola. Esse registro possibilita o acesso aos vários espaços do Circuito.

A partir de uma transferência de trabalho, aqueles que desejarem se aproximar do Aleph – Escola de
Psicanálise, devem entrar em contato com um dos responsáveis pela entrevista de apresentação.

Acolhimento:
Angela Rocha
Joaquim Lavarini

Comissão de Cartel:
Henrique Dias N. A. Alves
Maria Augusta Friche
Mônica Brandão

Comissão de Ensino:
Bethânia Pena dos Santos
Lícia Mara Dias
Valéria Brasil